A CONTRIBUIÇÃO CONTÁBIL NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL

  • Ciências Contábeis Faculdade da Serra Gaúcha
  • Amanda Boniatti
  • Samara Armiliato
  • Itacir Alves Da Silva
  • Jaime Luiz Prux Junior

Resumo

A Lei 11.101/05, conhecida como a Lei de Recuperação de Empresas e Falência, surge com a extinção da concordata e a revogação do Decreto-Lei 7.661/45. Diferentemente deste Decreto que preocupava-se exclusivamente com os credores, a Lei 11.101/05 surge com interesses coletivos, importando-se não só com os credores, mas também, com a reestruturação da empresa que está com sua saúde financeira instável. Com a atual crise econômica vivida no país, a busca por alternativas legais que auxiliem as empresas a se reerguerem sem precisar decretar falência tem aumentado significativamente. A Recuperação Judicial auxilia na reorganização da empresa em crise e, tem a atuação fundamental do profissional contábil, como contador ou como Administrador Judicial. Com a finalidade de compreender melhor esse procedimento, o presente estudo foi realizado com o objetivo geral de reconhecer a contribuição contábil no processo de Recuperação Judicial. Os objetivos específicos consistem em conceituar os aspectos que abrangem a Recuperação Judicial e identificar a contribuição contábil neste processo. Utilizou-se uma pesquisa exploratória, com o intuito de explorar o tema proposto que não é de pleno conhecimento dos autores. A técnica utilizada para a coleta dos dados foi à entrevista, que permitiu verificar a contribuição do profissional contábil nos processos de Recuperação Judicial. Com os dados coletados, contatou-se que a ciência contábil contribui fortemente para o regime da Recuperação Judicial e, que o contador deve sempre zelar pela ética e imparcialidade no seu trabalho.

Publicado
2017-06-29