O GENOCÍDIO DE RUANDA COMO O PRINCIPAL PROTAGONISTA DAS GUERRAS NA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO

Resumo

O presente artigo tem como objetivo relacionar o Genocídio de Ruanda, em 1994, com os conflitos posteriores na República Democrática do Congo (RDC), trazendo consigo pontos atuais de ambos países importantes para as Relações Internacionais. A pesquisa é relevante para as Relações Internacionais, porque relaciona dois grandes conflitos do continente africano, na região dos Grandes Lagos, que alcançaram um número altíssimo de mortes, seja por fome, assassinatos ou doenças. Um dos conflitos será conhecido como a Guerra Mundial Africana, devido a dimensão alcançada e o envolvimento de Estados Africanos. Analisa-se, portanto, a rivalidade mortal hutu-tutsi em Ruanda, contextualizando com a atuação de algumas potências e das Nações Unidas, juntamente com a fuga dos assassinos ruandeses refugiando-se no RDC sob a proteção dos franceses através da Operação Turquesa, do governo de Mobutu e, posteriormente, de Kabila. Evidenciando a bestialidade das Nações Unidas para prevenir e interromper o conflito e a rejeição por parte das grandes potências de agir em função de proteger as vítimas do genocídio. Acarretando na decisão de líderes ruandeses e ugandeses de tomar uma decisão para evitar que seus respectivos territórios sejam invadidos e sua população massacrada novamente.

Biografia do Autor

Gabriela Stefani, Centro Universitário da Serra Gaúcha
Gabriela Stefani, estudante de Relações Internacionais, 5º semestre, no Centro Universitário da Serra Gaúcha. Estagiária Comercial na empresa Hyva do Brasil Hidraúlicos LTDA.
Daiane Lima dos Santos, Centro Universitário da Serra Gaúcha
Daiane Lima dos Santos, estudante de Relações Internacionais, 5º semestre, no Centro Universitário da Serra Gaúcha. Trabalha na Brasdiesel S/A desde abril 2016.
Publicado
2018-06-26
Seção
Grupo de Trabalho 1: Direitos Humanos e Transformação Social