Direito Internacional, Semiótica e Linguagem

  • Alex Silva Oliveira Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Direito, Direito Internacional, Filosofia, Semiótica

Resumo

Em vista da apropriação de determinados conceitos e teorias de outras áreas das humanidades, alguns estudiosos contemporâneos de Direito Internacional cometem equívocos, não se atentando às consequências lógicas do uso dessas teorias para explicarem o Direito Internacional hodierno. Por meio do método lógico, histórico, dedutivo e abdutivo, o artigo buscou criticar o uso da semiótica de Ferdinand de Saussure como base explicativa do Direito Internacional contemporâneo e propôs a análise desse fenômeno pela filosofia e teoria semiótica de Charles S. Peirce de tal modo a se apropriar de novas ferramentas mais adequadas e capazes de entender os processos de dinamicidade do Direito Internacional atual, além de visualizá-lo como signo e entender seu propósito de auxílio no autoconhecimento da ética da espécie humana com base na consciência coletiva.

Biografia do Autor

Alex Silva Oliveira, Universidade de São Paulo
Mestrando em Direito Internacional pela Faculdade de Direito da USP. Bacharel em Direito pela USP. Advogado.
Publicado
2017-11-01
Seção
Artigos da Revista