Sobre poder e amor – discurso penal e a transmissão do objeto institucional

  • Augusto Jobim do Amaral

Resumo

A grande obra do poder é fazer-amar, e o estudo do envoltório dogmático do ocidente permite
observar o modo de operar comum do esquecido medievo prolongado na modernidade. Assim,
a análise da atual confi guração do poder e a formação de seus mitos tirânicos não poderá abrir mão
do estudo dos extratos renegados da Idade Média clássica. Especialmente cabe interrogar, no processo
judicial como laço entre instituição e dogmatismo e organizador da dramatização da Regra, as
reconfi gurações da economia da lógica inquisitória inerente à estrutura penal repressiva.
Palavras-chave: Poder. Modernidade. Cultura penal. Inquisitorialismos. Processo penal.
Seção
Artigos da Revista