CULTURA ORGANIZACIONAL E SAÚDE DO TRABALHADOR: REFLEXÕES SOBRE AS RELAÇÕES ENTRE INDIVÍDUOS E O TRABALHO NAS ORGANIZAÇÕES

  • Kelen Barcellos de Matos Universidade de Caxias do Sul (UCS)
  • Magda Macedo Madalozzo Universidade de Caxias do Sul (UCS)
  • Lucas Taufer Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Palavras-chave: Cultura Organizacional, Saúde do Trabalhador, Trabalho, Indivíduo

Resumo

Este estudo apresenta uma revisão de literatura de artigos que versavam sobre a influência da cultura organizacional na saúde do trabalhador. Para desenvolver esta síntese os objetivos específicos da pesquisa foram: explorar concepções sobre sofrimento do trabalhador, conceituar cultura organizacional, analisar a relação do trabalho e o indivíduo, e fazer a relação entre como a cultura pode influenciar no sofrimento do trabalhador. As principais referências utilizadas neste trabalho foram: Hofstede (1980); Zarifian (2001); Dejours (1994); Mendes (2007); Schein (2009); Geertz (2008) e Fleury e Fischer (1996). Para isso utilizou-se como método de pesquisa uma abordagem qualitativa, de natureza exploratória com levantamento de dados bibliográficos. Utilizou-se como principal técnica de análise de dos dados, a análise de conteúdo. Dentre os principais resultados identificados destacou-se analogias entre aspectos da cultura organizacional, as relações de trabalho e a saúde do trabalhador, tal como os riscos psicossociais e possíveis sofrimentos decorrentes da cultura organizacional.

Biografia do Autor

Kelen Barcellos de Matos, Universidade de Caxias do Sul (UCS)
Especialista em Psicologia e Gestão no Contexto Organizacional pela UCS
Magda Macedo Madalozzo, Universidade de Caxias do Sul (UCS)
Doutora em Psicologia das Organizações e do Trabalho pela UFSC. Processora de graduação e pós-graduação na UCS.
Lucas Taufer, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Mestrando em Administração pelo PPGA/EA/UFRGS. Professor de pós-graduação na FSG.

Publicado
2018-07-15