UTILIZAÇÃO DA GAMETERAPIA NA MELHORA DA COGNIÇÃO, PROPRIOCEPÇÃO E RACIOCÍNIO LÓGICO EM PACIENTES DE TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO – UMA REVISÃO DA LITERATURA

  • Vanderlei dos Santos Lutz Centro Universitário da Serra Gaúcha - FSG
  • Huender José Cardoso de Miranda Centro Universitário da Serra Gaúcha - FSG
  • Lidiane Barazzetti Centro Universitário da Serra Gaúcha - FSG

Resumo

A área da saúde procura adaptar-se às novas tecnologias para oferecer às pessoas melhores condições de tratamento. Dentre estas tecnologias atuais não-invasivas e cada vez mais utilizadas pela fisioterapia, destaca-se a utilização da gameterapia (GT) para o tratamento de patologias que acometem a mobilidade musculoesquelética do paciente. A utilização de videogames, destacando-se o Nintendo WiiTm e o XboxTm,  vem se intensificando cada vez mais devido a praticidade e custo dos aparelhos, facilmente encontrados no mercado. A realidade virtual proposta por eles é utilizada em sessões de fisioterapia, onde os pacientes devem repetir os movimentos que aparecem na televisão, para estimular a amplitude de movimento muscular, a cognição, o raciocínio lógico e a propriocepção, principalmente em idosos e pacientes com algum transtorno neurológico. Desta forma, o presente artigo tem como objetivo identificar os principais métodos de tratamento utilizados com a gameterapia, e também descrever os resultados obtidos através dela para verificar sua eficácia. Os artigos utilizados foram pesquisados nas bases de dados on-line SciELO (Scientific Eletronic Library Oline) e PubMed, utilizando os operadores booleanos AND, OR e NOT para combinar termos de pesquisa, e Google Acadêmico. Foram selecionados para análise 5 (seis) artigos científicos, 2(duas) monografias e 1 (uma) dissertação. Os delineamentos mais utilizados fora de estudo experimental, em cinco dos oito estudos selecionados. Os resultados encontrados demonstraram que as formas de tratamento foram variadas, a utilização de jogos esteve bastante presente. Obteve-se resultados satisfatórios principalmente em relação ao tratamento com idosos e pacientes que tiveram algum tipo de lesão neural, especialmente no que diz respeito à cognição.
Publicado
2017-10-27