PERFIL DOS PACIENTES RENAIS CRÔNICOS DE UM HOSPITAL PÚBLICO DE CAXIAS DO SUL

  • Jaqueline Decol FSG
  • Mariana Rafaeli FSG
  • Ana Lúcia Hoefel FSG
  • Joana Zanotti FSG

Resumo

INTRODUÇÃO: Doença renal crônica (DRC) se refere a um diagnóstico sindrômico que caracteriza a perda progressiva e geralmente, irreversível da função renal de depuração, ou seja, da filtração glomerular (RIELLA, 2003). Hoje a DRC emerge como um grave problema de saúde pública no mundo, agora sendo considerada como uma epidemia de crescimento alarmante, cuja incidência, entre os anos de 1982 e 1991, teve um aumento de cerca de 100% nos indivíduos adultos e em cerca de 300% nos indivíduos idosos (BARBOSA, 2006). Diante do exposto, este estudo teve como objetivo analisar o perfil dos pacientes portadores de DRC no setor de hemodiálise (HD) de um hospital público.  FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: As condições que causam a DRC incluem as doenças sistêmicas, como Diabetes Mellitus (DM), (MASCARENHAS,2010) Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) não controlada, Glomerolonefrite Crônica, Pielonefrite, obstrução do trato urinário; lesões hereditárias (doença renal policística), distúrbios vasculares, infecções, medicamentos e agentes tóxicos (GIANNINE,2000). A DRC pode ser inicialmente tratada com métodos terapêuticos conservadores, como tratamento dietético, medicamentoso e também o controle da pressão arterial. A HD nada mais é que um processo de depuração do sangue que tem como proposito um sistema de circulação extracorpórea, (PIVATTO,2010). Devido ao aumento de portadores de DRC, o Brasil já acabou de se tornar o terceiro maior mercado de Hemodiálise do mundo, estima-se que mais de 91 mil pacientes estejam em tratamento dialítico, o que reflete em um aumento de aproximadamente 25% em relação ao ano de 2007. Destes, 57,3% corresponde ao sexo masculino. A maioria dos pacientes em Hemodiálise está na faixa etária de 19 a 64 anos (SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA). MATERIAL E MÉTODOS: O estudo foi realizado no setor de Hemodiálise de um hospital público, situado na cidade de Caxias do Sul, no estado do Rio Grande do Sul. A coleta de dados foi baseada em análise de prontuário de todos os pacientes dos turnos da manhã e tarde, e aconteceu no mês de agosto de 2017. Foram coletadas as variáveis sexo e idade apenas. RESULTADOS E DISCUSSÕES: Totalizaram 146 pacientes, sendo 54 mulheres e 92 homens. Os resultados encontrados no presente estudo indicam que entre as mulheres em tratamento dialítico 26 tem idade entre 20 a 59 anos (48%) e 28 mulheres tem idade acima de 60 anos (52%). Já entre os homens, 49 tem idade entre 20 a 59 anos (53%) e 43 tem idade acima de 60 anos (47%). Assim pode-se perceber que existe uma maior prevalência do sexo masculino em tratamento dialítico com idade menor de 60 anos em comparação ao sexo feminino. O estudo de Sesso et al., 2016 traz dados nacionais sobre pessoas em tratamento dialítico e nos mostra que mais da metade dos pacientes (58%) eram do sexo masculino, mostrando como a causa mais frequente da doença a HAS seguido pela DM. CONCLUSÃO: O presente estudo permitiu concluir que há nesta população estudada uma prevalência maior de homens jovens quando comparado com mulheres, nos mostrando a importância de um trabalho de conscientização para os mesmos. Sugere-se que sejam realizados mais estudos com esse público para que sejam identificados possíveis riscos a saúde que levem a complicações além da DRC.

Biografia do Autor

Jaqueline Decol, FSG

Acadêmica do curso de Nutrição, Centro Universitário da Serra Gaúcha, FSG.

Mariana Rafaeli, FSG

Acadêmica do curso de Nutrição, Centro Universitário da Serra Gaúcha, FSG.

Ana Lúcia Hoefel, FSG
Docente do curso de Nutrição, Centro Universitário da Serra Gaúcha, FSG.
Joana Zanotti, FSG
Docente do curso de Nutrição, Centro Universitário da Serra Gaúcha, FSG.
Publicado
2017-10-27