EQUIPE DE ENFERMAGEM E OS DESAFIOS NA ASSISTÊNCIA PRESTADA A INDÍGENAS KAINGANG

Resumo

INTRODUÇÃO: Os índios Kaingangs são a maior população indígena no Brasil, pertencentes ao tronco linguístico Macro-Jê. As características da tribo os tornam vulneráveis necessitando cuidados (DIEHL; LANGDON, 2015). O IBGE retrata que a população total de indígenas da etnia Kaingang no país é de 37.470 pessoas, sendo a terceira etnia indígena com maior população, em relação à localização de domicílio da população total de Kaingangs, 31.814 pessoas residem nas terras indígenas e 5.656 fora delas. A enfermagem possui contribuição fundamental no desenvolvimento de cuidados nas suas práticas assistenciais na promoção, prevenção e reabilitação. Sendo assim, os objetivos da pesquisa foram identificar as atividades da equipe de enfermagem na prevenção de doenças na atenção primária à saúde, identificar as doenças prevalentes na Aldeia Indígena Kaingang de um Município da Serra Gaúcha. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: O Subsistema de Atenção à Saúde Indígena é um componente do Sistema Único de Saúde (SUS), devendo assim haver perfeita integração para o funcionamento. O financiamento do SASI é de responsabilidade da União e o SUS é encarregado por realizar a articulação do Subsistema com os órgãos responsáveis pela política indígena do país, podendo ainda os estados, municípios e outras instituições, tanto governamentais como não governamentais, participar de forma complementar no custeio e na execução das ações (BRASIL, 1990). A Política Nacional de Atenção aos Povos Indígenas (PNASPI) foi implementada em 2002 com base na Lei Orgânica de Saúde, reconhecendo as especificidades étnicas e culturais e os direitos territoriais dos povos indígenas nos campos das ações voltadas para a proteção, promoção e recuperação da saúde. Para tanto, é imprescindível ressaltar que a adoção dos princípios e diretrizes que caracterizam o SUS como a universalidade, equidade, participação comunitária e o controle social são vitais para a realização de estudos, de quaisquer naturezas com populações indígenas (FURTADO, 2015). Embora possuam práticas próprias para lidar com a saúde de suas comunidades, os povos indígenas também recorrem aos serviços e atendimentos prestados no Sistema Único de Saúde (SUS) (RIBEIRO; FORTUNA; ARANTES, 2015). O papel do enfermeiro no atendimento à saúde indígena deve transcender os campos éticos, culturais e geográficos a fim de conseguir atingir a resolução dos problemas de saúde, sendo necessário ter o conhecimento do local para que o profissional de enfermagem exerça de forma efetiva o atendimento às necessidades da população indígena (FURTADO, p. 81, 2015). Desse modo, o desenvolvimento e o crescimento da população indígena na atualidade veem como um desafio para o enfermeiro e para a equipe de profissionais multidisciplinares. MÉTODO: pesquisa descritiva, qualitativa, realizada com 10 profissionais de saúde, entre eles enfermeiros, técnicos de enfermagem, e agentes comunitários de saúde. Utilizou-se uma entrevista semiestruturada, com a técnica de análise de conteúdo, que é organizada em torno de três fases: pré-análise, exploração do material e tratamento, inferência e interpretação dos resultados obtidos (BARDIN, 2009). A pesquisa foi submetida ao Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário da Serra Gaúcha - Caxias do Sul, sob a CAAE- 65761517.2.0000.5668, que atendeu a Resolução n° 466/2012.  RESULTADOS: obtiveram-se as seguintes categorias: atividade de saúde na comunidade indígena; doenças prevalentes na percepção dos profissionais; dificuldades na visão da equipe de saúde na atuação na Aldeia Kaingang; percepção de atendimento da equipe de saúde; pontos facilitadores do atendimento aos Indígenas. Seguindo estas categorias o estudo tornou-se claro e dinâmico, observando-se o atendimento proposto nessa comunidade indígena. DISCUSSÃO: nesse estudo obtiveram-se as seguintes categorias: Atividade de saúde na comunidade indígena; doenças prevalentes na percepção dos profissionais; dificuldades na visão da equipe de saúde na atuação na Aldeia Kaingang; percepção de atendimento da equipe de saúde; pontos facilitadores do atendimento aos Indígenas. Seguindo estas categorias o estudo tornou-se claro e dinâmico, observando-se o atendimento proposto nessa comunidade indígena. CONSIDERAÇÕES FINAIS: observa-se que o vínculo tornou-se frequente na relação entre os profissionais de saúde e a comunidade indígena, que os indígenas já conhecem a rotinas da unidade, mas que faltam capacitações para esses profissionais de saúde para exercerem atividades que atendem as necessidades dessa comunidade.

Biografia do Autor

Rosana Pinheiro Lunelli, Centro Universitário da Serra Gaúcha
Enfermagem
Publicado
2017-10-27