PREVALÊNCIA E PERFIL DOS CASOS DE NEOPLASIA DE BEXIGA EM UM HOSPITAL DE CAXIAS DO SUL/RS.

  • Luisa Carolina Bischoff Centro Universitário da serra gaucha - FSG
  • Fernanda Formolo

Resumo

INTRODUÇÃO/FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: A organização Mundial de Saúde (OMS) fez uma projeção de 27 milhões de novos casos de câncer para o ano de 2030 em todo mundo e, destes, 17 milhões levarão a morte. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a neoplasia de bexiga é a nona mais frequente no Brasil, a sétima em homens, e está na décima primeira posição das neoplasias mais presentes em mulheres no Rio Grande do sul. A estimativa para os próximos dois anos é que sejam diagnosticados 9.480 novos casos desta neoplasia no país. Entre os tipos de câncer de bexiga estão: Carcinoma Urotelial, Câncer de bexiga não invasivo, Câncer de bexiga Invasivo, Carcinoma de células escamosas, Adenocarcinoma e Sarcoma. Conforme o estadiamento (0, 0a, 0is, I, II, III e IV) seu tratamento pode variar ou ainda ser a terapia combinada entre algum destes métodos: Imunoterapia, Radioterapia, Quimioterapia, Terapia Intravesical, e Cirurgia. Há um aumento progressivo de casos de neoplasias no mundo inteiro, e segundo o INCA, as regiões sul e sudeste do Brasil apresentam os números mais elevados. Os estudos nas áreas de prevalência, perfil e mortalidade, visam apontar indicadores sobre tal doença, e avaliar novas políticas de prevenção. MATERIAL E MÉTODOS: Trata-se de um estudo transversal retrospectivo, realizado na cidade de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul, compreendendo pacientes atendidos entre os anos de 2015 e 2017. A população será constituída de indivíduos diagnosticados com câncer (CA) de bexiga, atendidos no Instituto do Câncer do Hospital Pompéia (INCAN) de Caxias do Sul/RS, durante o período estabelecido. Com base no banco de dados do Registro Hospitalar de Câncer (RHC) serão coletados dados para verificação da prevalência da neoplasia, além de dados sociodemográficos, de diagnóstico e perfil desses pacientes para a comparação entre desfechos será aplicado o teste de qui-quadrado ou exato de Fischer (p≤ 0,05), no software SPSS para Windows (20.0). OBJETIVOS: Verificar o perfil dos pacientes diagnosticados com esta neoplasia nos três últimos anos, verificar a relação de fatores de risco com a prevalência da doença e correlacionar o estadiamento clínico da doença com os fatores de risco. JUSTIFICATIVA: Há um aumento progressivo de casos de neoplasias no mundo inteiro, e segundo o INCA, as regiões sul e sudeste do Brasil apresentam os números mais elevados. Os estudos nas áreas de prevalência, perfil e mortalidade, visam apontar indicadores sobre tal doença, e avaliar novas políticas de prevenção.

Biografia do Autor

Luisa Carolina Bischoff, Centro Universitário da serra gaucha - FSG
Graduanda em Biomedicina, com enfase em analises clinicas, em fase de conclusão de curso, pelo Centro Universitário da Serra Gaucha.
Publicado
2019-01-03