ABORDAGEM DA FISIOTERAPIA AQUÁTICA EM CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL

  • Huender José Cardoso de Miranda
  • Danielly de Gasperi
  • Êmile Oliveira Cardoso
  • Gabriela Vitória Giasson
  • Vanessa Busnello
  • Joice Lisboa Cucolotto
  • Alenia Varela Finger Minuscoli
  • José Davi Oltramari
  • Alexandra Renosto
  • Daiane Giacomet
  • Gisele Oltramari

Resumo

A Fisioterapia Aquática é uma modalidade de reabilitação que possui uma grande importância na reabilitação neuromotora aquática, sendo esta descrita como um precursor útil para os programas tradicionais de reabilitação de lesão cerebral. A Encefalopatia Crônica Não-progressiva da Infancia (ECPI) consiste numa das mais comuns e comumente tratadas com a fisioterapia aquática, caracterizando-se como lesões que podem abranger as estruturas e função do corpo, as atividades na qual a criança exerce e na sua participação, por meio de alterações na motricidade voluntária e tônus. Métodologia e objetivo: O presente trabalho trata-se de uma revisão sistemática realizada a partir de buscas em bancos de dados como: PubMed, Scielo, Lilacs e Google Acadêmico, com o objetivo de verificar a eficácia desta modalidade terapêutica em paciente com Encefalopatia Cronica Não Progressiva da Infância. Resultados e conclusões: Percebe-se aumento e melhora nas variáveis flexibilidade, equilíbrio, amplitude de movimento, dor e força muscular de crianças com ECPI com a fisioterapia aquática, porém faltam estudos que relacionem estes dois assuntos.

Seção
Saúde e Ciências Agroveterinárias - Artigo Completo