INTRODUÇÃO DE ALIMENTOS FUNCIONAIS NA INFÂNCIA

  • Julia Mayumi Maciel Hada Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG)
  • Morgana Catafesta Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG)
  • Patricia Carvalho Piva Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG)
  • Vanessa Comerlatto Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG)
  • Fernanda Bissigo Pereira Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG)

Resumo

INTRODUÇÃO/FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: O conceito de alimento funcional surgiu no início dos anos 80 no Japão, com a intenção de adicionar na dieta alimentar ingredientes naturais com funções específicas no organismo (GARCIA, 2004). Para Angelis (2001) um alimento funcional é aquele semelhante na aparência a um alimento convencional, o qual, além da nutrição básica, beneficia as funções fisiológicas e metabólicas proporcionando boa saúde física e mental, e podendo reduzir riscos de doenças crônico-degenerativas. Já a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) define como um alimento com propriedade funcional: “aquela relativa ao papel metabólico ou fisiológico que o nutriente e/ou não nutriente tem no crescimento, desenvolvimento, manutenção e/outras funções normais do organismo humano” (BRASIL, 1999). Recentemente, vem-se exigindo ainda mais dos alimentos. Além de não fazer mal à saúde, eles devem ainda desempenhar funções terapêuticas, com isso o papel da promoção da saúde cresce em sua importância como uma estratégia fundamental para o enfrentamento dos problemas do processo saúde-doença-cuidado e da sua determinação. A direção, nesse caso, é o fortalecimento do caráter promocional e preventivo, contemplando o diagnóstico e a detecção precoce das doenças crônico-degenerativas e aumentando a complexidade do primeiro nível de atenção, elementos que ainda são considerados como desafios para o sistema de saúde (SANTOS, 2005). A alimentação adequada na infância previne a obesidade infantil, fornece substratos para o crescimento e desenvolvimento saudáveis e exerce importante influência na vida adulta. Com base nestas premissas, o objetivo deste trabalho foi elaborar uma ação educativa com crianças, oferecendo em sala de aula preparações contendo alimentos funcionais. MATERIAL E MÉTODOS: Foi realizada uma visita na Escola Municipal Vinte e Um de Abril, no bairro de Vila Cristina de Caxias do Sul/RS. Nesta visita foi realizada uma interação entre as acadêmicas do curso de Nutrição e os alunos com o intuito de demonstrar através de embalagens e material didático a quantidade de açúcar, sódio e óleo presente em alguns alimentos. Após estas atividades, quatro receitas, previamente reproduzidas, foram oferecidas para os alunos para que os mesmos provassem e, em seguida foi realizado um teste de aceitação com escala hedônica. Os alunos tinham que marcar na escala hedônica qual “carinha” que mais representasse o que ele achou das preparações. As receitas dos alimentos oferecidos foram disponibilizadas paras os alunos e para as professoras através de um e-book digital. RESULTADOS E DISCUSSÕES: Ao final da intervenção, observou-se que houve grande interesse e participação dos alunos, realizando perguntas relacionadas aos alimentos industrializados e aderindo a degustação das preparações. Após a realização do teste de escala hedônica, verificou-se 63% de aceitação das preparações, 16% relataram indiferença e 21% rejeição. Tal comportamento indica resultados positivos, pois além dos estudantes concordarem em provar novos alimentos, houve a prevalência de aceitação da introdução alimentar de preparações com alimentos funcionais. Também, foi possível perceber que grande parte das crianças não possuíam conhecimentos relacionados aos assuntos abordados. CONCLUSÃO: A realização de ações educacionais que envolvem conhecimentos em nutrição e alimentação no ambiente escolar tem o poder de auxiliar nas escolhas alimentares dos alunos, refletindo em melhores hábitos que podem se prolongar para a vida adulta e colaborar para a qualidade de vida. Ressalta-se á necessidade de novos encontros com a presença dos pais, pois entende-se que a introdução de alimentos na infância depende também do incentivo familiar.

 

                REFERÊNCIAS

ANGELIS, R. C. de. Importância de alimentos vegetais na proteção da saúde: fisiologia da nutrição protetora e preventiva de enfermidades degenerativas. São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte: Atheneu, 2001.

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA. Resolução nº. 18, de 30 de abril de 1999. Aprova o Regulamento Técnico que estabelece as diretrizes básicas para análise e comprovação de propriedades funcionais e ou de saúde alegadas em rotulagem de alimentos, constante do anexo desta portaria. Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 03 de maio de 1999.

GARCIA, A. P. M. Alimentos funcionais: contribuindo para a saúde e prevenindo doenças. Qualidade em Alimentação: Nutrição. São Paulo: Ponto Crítico, n. 19, jun./set. 2004.

SANTOS, L. A da S. Educação Alimentar e nutricional no contexto da promoção de práticas alimentares saudáveis; Revista de Nutrição, Campinas, 18(5):681-692, set./out., 2005.

 

Publicado
2019-01-03