O PAPEL DA ÉTICA FRENTE AOS PROCESSOS DE FINITUDE ASSISTIDA

  • Bruno de Oliveira Martins FSG
  • Carolina Vargas dos Reis FSG
  • Larissa Bernardino dos Santos FSG
  • Maria de lourdes Terribile Rossi UCSGraduanda da FSG
  • Milena Paula Rezzadori FSG
  • Rudimar Mendes FSG

Resumo

A problemática que concerne aos processos de finitude assistida da vida humana divide opiniões e suscita dilemas e conflitos infindáveis. Tal questão apoia-se sobre a ética, a moral, as tradições, as diferentes culturas que permeiam os homens e a subjetividade única e diferenciada que caracteriza cada ser humano. Alguns debruçam-se sobre a reflexão, ponderando a respeito da sacralidade da vida, do direito inviolável de seguir adiante, apesar das dificuldades e limitações que qualquer indivíduo poderá deparar-se ao longo da existência. Outros nutrem a crença de que a vida é uma concessão, não uma obrigação, podendo ser interrompida quando acometida por excessivas dores físicas e morais. Este artigo objetiva uma reflexão a respeito da ética no processo de suicídio assistido e eutanásia, envolvendo diversos olhares acerca do tema, tais como a Psicanálise, Filosofia e Bioética. Esta temática envolve questões complexas a respeito de qual seria o limite ético no tocante à prorrogação ou abreviação da vida em estados extremos de dor.

Biografia do Autor

Maria de lourdes Terribile Rossi, UCSGraduanda da FSG

Psicologia

Publicado
2020-02-17
Seção
Saúde e Ciências Agroveterinárias - Artigo Completo