OS REFLEXOS DOS DESASTRES SOCIOAMBIENTAIS NA SOCIEDADE CONSUMOCENTRISTA

  • Cleide Calgaro Universidade de Caxias do Sul
  • Kamilla Machado Ercolani Universidade de Caxias do Sul
  • Ramon da Silva Sandi Pontifícia Universidade Católica do RS

Resumo

INTRODUÇÃO/FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: Tornou-se fundamental a preocupação ambiental, visto que verifica-se corriqueiramente nos meios de comunicação o acontecimento de desastres ambientais, ocasionados no geral por negligência, imprudência, falta de fiscalização. Os desastres ambientais acontecem pela carência de planejamento estratégico, com linhas de atuação conjunta para a verificação dos riscos que a atividade possui, formas de prevenção, etc. e com o foco na preservação de espécies ameaçadas de extinção e componentes da biodiversidade do Brasil e assim, buscar promover a redução de ameaça de extinção. É importante buscar uma visão mais realista no que se refere ao equilíbrio entre o crescimento do progresso econômico e da humanidade, tornando-se de vital importância a conscientização da sobrevivência planetária, deste modo, precisa de uma participação ativa da sociedade e do Estado na fiscalização da atuação empresarial. A sociedade contemporânea é havida por parte da literatura especializada como uma sociedade de risco (BECK, 1992, p. 97). Entende-se que em uma sociedade cujo existe grande crescimento econômico e industrial, ocorre uma crescente demanda de exploração dos recursos naturais. Nesse interim para Beck, o risco ecológico resulta da potência disruptiva da tecnologia, através de um processo de dominação técnico-cientifica. É urgente a minimização os impactos socioambientais gerados pelo desenvolvimento econômico irrestrito sem a preocupação ambiental, que ocasionam desastres ambientais, tendo em vista que o mercado e os meios de comunicação estão impondo através dessa ideologia do consumo desenfreado um adestramento da sociedade contemporânea. MATERIAL E MÉTODOS: O método utilizado no estudo é o analítico, com leituras de obras sobre o tema. RESULTADOS E DISCUSSÕES: A preocupação com o meio ambiente surge a partir do momento que a população vem crescendo e as atividades econômicas progredindo. Da maneira como os bens e serviços ambientais vêm sendo utilizados pelo homem, o País experimenta uma deterioração crescente, principalmente nos lugares onde a aglomeração humana e as diversas atividades econômicas se desenvolvem. As manifestações mais importantes do fenômeno das poluições urbanas provocam uma série de efeitos nocivos que impõem custos à sociedade. Assim, questiona-se o problema da grande ocorrência dos desastres socioambientais que estão interligados com o crescimento do consumocentrismo. CONCLUSÃO: A necessidade de uma visão ecológica diferenciada, que aparece de diversas formas nas ciências sociais e humanas nas últimas décadas, Molinaro, 2006, p. 52, este afirma que “nós não estamos no entorno, ‘nós somos o entorno’”. A humanidade moderna não se preocupa com gerações futuras, ela se preocupa com lucros futuros. Por isso, é de suma importância o fomento do desenvolvimento sustentável, ou seja, impedindo que o crescimento das cidades e o aumento da população estejam em equilíbrio com os usos dos recursos ambientais.   REFERÊNCIAS

BECK, Ulrick. “From Industrial to Risk Society: questions of survival, social structure and ecological enlightenment”, in Theory. Culture & Society. London. 1992.

 

MOLINARO, Carlos Alberto. Racionalidade ecológica e estado socioambiental e democrático de direito. Dissertação (Mestrado em direito) – Faculdade de Direito, Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

 

Biografia do Autor

Cleide Calgaro, Universidade de Caxias do Sul

Doutora em Ciências Sociais na Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Pós-Doutorado em Filosofia e Pós-Doutoranda em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS. Mestre em Direito e em Filosofia pela Universidade de Caxias do Sul – UCS. Professora no Mestrado e na Graduação em Direito da Universidade de Caxias do Sul. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa "Metamorfose Jurídica", vinculado ao Centro de Ciências Jurídicas e Mestrado em Direito da Universidade de Caxias do Sul (UCS)". CV: http://lattes.cnpq.br/8547639191475261. E-mail: ccalgaro1@hotmail.com 

Kamilla Machado Ercolani, Universidade de Caxias do Sul

Aluna não regular do mestrado em direito UCS. Bacharel em Direito pela UCS

Ramon da Silva Sandi, Pontifícia Universidade Católica do RS

Mestrando em Direito pela PUCRS. Graduado em Direito e Filosofia pela UCS

Publicado
2020-02-20
Seção
Ciências Jurídicas e Sociais - Resumo Expandido