POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA MULHER

UMA REVISÃO BIBLIOG´RÁFICA

  • Júlia Masiero Cardoso FSG Centro Universitário
  • Lidiane Barazzetti

Resumo

Introdução: Freitas et al. (2009) menciona que na maior parte do século XX, as políticas nacionais de saúde da mulher estiveram voltadas ao ciclo gravídico-puerperal. A partir de 1984, uma proposta de atendimento integral ganhou corpo no então Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM) e, em 2004, emergiu uma proposta que prioriza a promoção da saúde, por meio da Política Nacional de Assistência Integral à Saúde da Mulher (PNAISM). Objetivo: Este estudo tem o propósito de revisar a abordagem dos objetivos citados na PNAISM e de que forma vem sendo discutida nos artigos científicos, para posteriormente, criar um artigo de revisão bibliográfica. Metodologia: Foi realizada uma revisão bibliográfica de artigos acadêmicos qualitativos e quantitativos, na plataforma Google Acadêmico, no período correspondente de abril a junho de 2019, sendo utilizados os termos: “Saúde da Mulher”, “Política Nacional” e “Fisioterapia”. Resultados: Foram encontrados 12.600 artigos publicados no período de 2004 a 2012. Destes, foram selecionados 60 artigos, sendo priorizados aqueles que contemplavam apenas a língua portuguesa e o período de busca restrito de 2004 a 2019. Discussão: Pedrosa (2005) constata que é preciso desenvolver, cada vez mais, a capacidade de gerenciar os serviços e formar profissionais da saúde orientados a uma assistência integral e humana, com equidade, e sem o uso abusivo de tecnologias médicas. Conclusão: Faz-se necessária a incorporação dos princípios propostos na prática cotidiana dos serviços, que devem contar com suficientes recursos financeiros e recursos humanos capacitados a executar este novo modelo político.

Publicado
2020-02-17
Seção
Saúde e Ciências Agroveterinárias - Artigo Completo