ELABORAÇÃO DE UM PRODUTO ALIMENTÍCIO

CALDO NATURAL DE LEGUMES CONGELADO

  • Marina Della Giustina Faculdade da Serra Gaúcha
  • Nicole Gobbi Centro Universitário da Serra Gaúcha FSG
  • Nicole Teixeira Sehnem Centro Universitário da Serra Gaúcha FSG

Resumo

INTRODUÇÃO: A tecnologia de alimentos é um instrumento multidisciplinar que consiste em um conjunto de técnicas relacionadas aos processos de industrialização de produtos de origem vegetal e animal (GAVA, 2008). A tecnologia de conservação consiste em métodos que evitam a deterioração dos alimentos durante um determinado período, objetivando a redução das ações das próprias enzimas, evitando o apodrecimento dos alimentos. Dentre as principais tecnologias, encontra-se o congelamento, já que o frio dificulta a reprodução e ação dos microrganismos no alimento, bem como provoca a redução de atividade de água.  (ORDOÑEZ, 2005; GAVA, 2008). O objetivo central do trabalho foi desenvolver um produto que mantivesse as características sensoriais, com benefícios nutricionais mantidos através da técnica de congelamento. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: As doenças crônicas não transmissíveis (DCNTS) são um grande problema de saúde pública, responsáveis por mais de 50% das mortes e mais de 40% das causas de doenças no mundo. Estas doenças tem forte relação com alimentação inadequada, principalmente com o consumo excessivo de sal. (BRITO & SPINELLI, 2016; MOREIRA et. al. 2018). O sal é a principal fonte de sódio empregada na alimentação, seja através do cozimento ou da conservação empregada pela indústria alimentícia. Alimentos enlatados, temperos prontos e embutidos possuem grande quantidade de sódio e aditivos na sua composição, isso ocorre principalmente para aumentar a vida de prateleira do produto. (BRITO & SPINELLI, 2016). O glutamato monossódico (MSG) é um aditivo alimentar amplamente utilizado em alimentos ultraprocessados, bem como no preparo de refeições em geral, com o objetivo de realçar o gosto salgado (REYES, 2013). Estudos recentes indicam que o uso demasiado de MSG pode levar a lesões no hipotálamo devido a neurotoxicidade, ocasionando alterações hormonais provocando secundariamente o desenvolvimento de diabetes, hipertensão, sobrepeso e obesidade. (REYES, 2013; GOMES, 2018). O Ministério da Saúde tem buscado alternativas para reduzir a carga de doenças crônicas através de alimentos com redução de gorduras, açúcares e sódio. (BRITO & SPINELLI, 2016; MOREIRA et. al. 2018). MATERIAL E MÉTODOS: Para o desenvolvimento do produto, foi utilizado: 1 batata inglesa pequena picada em cubos; ½ cenoura média picada em cubos pequenos; 1 cebola pequena cortada em cubos pequenos; 2 dentes de alho grandes picados em cubos pequenos; 1 colher rasa de sopa de óleo de côco; 3 ramos de cebolinha verde fresca picada; ½ raiz de alho poró fresco picado; 1 folha de alho poró fresco picado; 1 talo inteiro de salsão (talo e folhas)  picado; 1 colher de chá cheia de açafrão; 1 colher de chá rasa de pimenta calabresa;  1 colher de chá rasa de páprica doce; 1 colher de café rasa de salsinha desidratada; 1 colher de café rasa de cebolinha desidratada; 1 colhe de café rasa de alho desidratado. O preparo ocorreu da seguinte forma: Os legumes foram refogados em óleo de coco e em seguida cozidos em pouca água. Após foi adicionado os temperos frescos e secos. A preparação foi triturada até se obter uma massa lisa e homogênea, em seguida foi distribuída em formas quadradas e congeladas por 24 horas. Após desenformadas foram embaladas em papel alumínio e conservadas congeladas. RESULTADOS E DISCUSSÕES: Os resultados estão de acordo com o esperado. Ao utilizar o produto em preparações percebe-se sabor, cor, textura e consistência advindas do uso do caldo. A adição de sal se faz necessária conforme paladar, visto que neste produto não há adição. O desafio em relação a este produto fica a cargo do valor que se torna mais elevado e o tempo de prateleira que é reduzido devido a não utilização de nenhum conservante artificial. Dentre os benefícios, não possui índices de sódio e aditivos, não gerando danos à saúde.  CONCLUSÃO: Diante do trabalho desenvolvido e do exposto, conclui-se que a alimentação está diretamente relacionada ao desenvolvimento de DCNT. Os hábitos alimentares da população precisam ser adequados para que ocorra a prevenção destas doenças. O produto idealizado vem a ser uma alternativa para a população em geral que quer usar deste artifício para prevenir doenças, mas também vem a calhar para as populações que já desenvolveram doenças relacionadas ao seu consumo e precisam controlar demais sintomas.
Publicado
2020-02-19
Seção
Saúde e Ciências Agroveterinárias - Resumo Expandido