USO DE FÁRMACOS E CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO IDOSO HIPERTENSO

UMA REVISÃO INTEGRATIVA

  • Amanda de Oliveira Fiorentin
  • Gabriella de Vasconcelos Pereira
  • Kellen Vieira Pinto Kern
  • Nicole da Silva Gobetti Dutra
  • Roberta Soldatelli Pagno Paim UCS

Resumo

A Hipertensão Arterial Sistêmica em idosos causa múltiplas complicações clínicas, principalmente em eventos cardiovasculares, resultando na redução da sobrevida e piora na qualidade de vida do idoso. Existem metodologias disponíveis e eficientes para minimizar esses fatores, como tratamentos farmacológicos e modificações no estilo de vida, mas a adesão ao tratamento anti-hipertensivo encontra barreiras complexas e multifatoriais, sendo um desafio aos profissionais de saúde, entre eles, a enfermagem. O enfermeiro é peça chave no reconhecimento das falhas na adesão ao tratamento e precisa ser atuante neste cenário de forma crítica e resolutiva. Este artigo trata-se de uma revisão integrativa da literatura, realizada a partir da seleção de artigos publicados entre os anos de 2005 e 2019 nas bases de dados Scielo, Google Acadêmico e Lilacs. Tem como objetivos descrever os aspectos associados ao tratamento anti-hipertensivo em idosos, como o uso de fármacos, mudanças de hábitos, a adesão ao tratamento e a assistência da enfermagem aos idosos hipertensos. Considerando os resultados encontrados na pesquisa, nota-se a existência de algumas lacunas dentro da temática, especialmente referente ao cuidado prestado pela equipe de enfermagem. Conclui-se, que se faz necessária novas intervenções na assistência de enfermagem aos idosos hipertensivos, com uma visão ampla e crítica sobre a qualidade do cuidado.

Publicado
2020-02-17
Seção
Saúde e Ciências Agroveterinárias - Artigo Completo