MODERNIDADE, CONSUMO E SUSTENTABILIDADE

A TEORIA DO DECRESCIMENTO COMO INSTRUMENTO DE MUDANÇA DA RACIONALIDADE MODERNA

  • Agostinho Oli Koppe Pereira Universidade de Passo Fundo
  • Filipe Rocha Ricardo Universidade de Caxias do Sul
  • Cleide Calgaro Universidade de Caxias do Sul

Resumo

INTRODUÇÃO/FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: No presente estudo tem-se como objetivo levantar algumas considerações sobre a modernidade e a sua racionalidade, com um posicionamento crítico em relação aos fenômenos e problemas da modernidade, em especial, no que se consumismo. Analisa-se também a teoria de decrescimento como uma proposta de frear a lógica da modernidade. Nesse sentido os problemas principais são: o consumismo moderno é desencadeador dos danos ao meio ambiente? O decrescimento pode ser uma alternativa para a minimização dos danos ambientais produzidos na modernidade? MATERIAL E MÉTODOS: Como método utilizou-se o analítico e como procedimento metodológico foi utilizada a revisão bibliográfica das obras atinentes ao assunto. RESULTADOS E DISCUSSÕES: As discussões levantadas, para o presente estudo, se concentram no consumismo moderno, que transforma esta sociedade em consumocentrista, e suas implicações com os danos ambientais; por outro lado discute-se, ainda, a possibilidade de se utilizar a teoria do decrescimento como forma de minimização dos danos ambientais produzido pelo consumismo moderno. Os resultados do estudo poderão mostrar uma nova caminha para uma nova racionalidade que configura a atuação humana no período que se vizinha, a pós-modernidade. CONCLUSÃO: Como conclusões preliminares ao estudo, pode-se afirmar que é possível reconhecer que a racionalidade utilizada, até o presente momento para o consumo, não possui nenhuma preocupação com a sustentabilidade. Assim, na sociedade moderna, no que se refere aos aspectos econômicos/consumo, vai-se de encontro ao discurso de sustentabilidade. Nesse viés, é de se reconhecer a teoria do decrescimento como um instrumento de mudança dos paradigmas do desenvolvimentismo e o consumismo da sociedade moderna.

  REFERÊNCIAS

BECK, U. Sociedade de Risco: rumo a uma nova modernidade. Tradução de Sebastião Nascimento. São Paulo: Editora 34, 2010.

BOCCATO-FRANCO, A. A. Decrescimento em dez perguntas: perspectivas para o debate social, econômico e ambiental. Ambiente e Sociedade, São Paulo, v. XVI, p. 145-149, jul-set 2013. ISSN 3.

GIDDENS, A. As conseqüências da modernidade. São Paulo: UNESP, 1991.

JACKSON, T. Prosperidade sem Crescimento: Vida boa em um planeta finito. São Paulo: Abril, 2013.

LATOUCHE, S. O decrescimento como condição de uma sociedade convivial. Cadernos Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo, p. 1-13, 2006. ISSN 56.

LATOUCHE, S. Pequeno tratado do descrescimento sereno. São Paulo : Martins Fontes, 2009.

LEFF, E. Ecologia, Capital e Cultura: A territorialização da Racionalidade Ambiental. Petropólis: Vozes, 2009.

PEREIRA, A. O. K.; CALGARO, C. A modernidade e o hiperconsumo: políticas públicas para um consumo ambientalmente sustentável. In: PEREIRA, A. O. K.; HORN, L. F. D. R. Relações de Consumo: Políticas Públicas. Caxias do Sul: Plenun, 2015. p. 13-32.

PEREIRA, A. O. K.; CALGARO, C. Desenvolvimento sustentável e o consumocentrismo: o paradoxo da modernidade. In: PEREIRA, A. O. K.; CALGARO, C.; PEREIRA, H. M. K. O consumo na sociedade moderna [recurso eletrônico]: conseqüências jurídicas e ambientais. Caxias do Sul : Educs, 2016. p. 33-51.

PEREIRA, A. O. K.; CALGARO, C.; TONIASSO, R. C. O Hiperconsumo e os riscos ambientais provocados por resíduos sólidos: uma análise da política nacional dos resíduos sólidos, tendo Caxias do Sul como referência. In: PEREIRA, A. O. K.; CALGARO, C.; HORN, L. F. D. R.

 

Biografia do Autor

Agostinho Oli Koppe Pereira, Universidade de Passo Fundo

Doutor em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2002). Pós-doutor em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos. Mestre em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco (1986). Especialista em Metodologia do Ensino e da Pesquisa Jurídica pela Universidade de caxias do Sul (1984). Graduado em Direito pela Universidade de Caxias do Sul (1978). Atualmente é professor colaborador na Universidade de Passo Fundo, atuando no Curso de Mestrado em Direito. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito do Consumidor, atuando principalmente nos seguintes temas: Direito, Direito do Consumidor, Teoria Geral do Direito, Direito Ambiental e Novos Direitos. É participante do Grupo de Pesquisa Metamorfose Jurídica, vinculado a Área de Conhecimento das Ciências Jurídicas e Mestrado/Doutorado em Direito da Universidade de Caxias do Sul.

Filipe Rocha Ricardo, Universidade de Caxias do Sul

Mestre em Direito pelo Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade de Caxias do Sul - UCS (2018) como Bolsista CAPES, na linha de pesquisa "Direito Ambiental e Novos Direitos", com o tema "Direito de Intervenção como alternativa ao Direito Penal Ambiental". Especialização em Direito com ênfase em Direito Público na Escola Superior do Ministério Público (2014). Bacharel em Direito pela Universidade Luterana do Brasil (2012). Participante do Grupo de Pesquisa Direito Ambiental Crítico: Teoria do Direito, Teoria Social e Ambiente. Advogado inscrito na OAB/RS 89.583, com atuação nas área Civil, Ambiental e Penal.

Cleide Calgaro, Universidade de Caxias do Sul

Doutora em Ciências Sociais na Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Pós-Doutorado em Filosofia e Pós-Doutoranda em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS. Mestre em Direito e em Filosofia pela Universidade de Caxias do Sul – UCS. Professora no Mestrado e na Graduação em Direito da Universidade de Caxias do Sul. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa "Metamorfose Jurídica", vinculado ao Centro de Ciências Jurídicas e Mestrado em Direito da Universidade de Caxias do Sul (UCS)". CV: http://lattes.cnpq.br/8547639191475261. E-mail: ccalgaro1@hotmail.com 

Publicado
2020-02-19
Seção
Ciências Jurídicas e Sociais - Resumo Expandido