DESENVOLVIMENTO DE UM PROTETOR PARA FERIDA PROVENIENTE DE AMPUTAÇÃO

  • Emily Zanol
  • Giovana Valentini Pedroni
  • Lais Lume
  • Thalia Sebben Pedrotti
  • Daiane Giacomet
  • Renata D`Agostini Nicolini-Panisson Centro Universitário da Serra Gaúcha/ Professora Doutora Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Reabilitação

Resumo

INTRODUÇÃO/FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA: A disciplina de fisioterapia neurofuncional tem como um dos objetivos reabilitar o paciente em relação as consequências de certas patologias, diminuindo os seus agravos e oferecendo uma melhor qualidade de vida aos mesmos. A mielomeningocele é a segunda causa de deficiência do aparelho locomotor em crianças (FERREIRA et al., 2018). Os problemas físicos comumente associados à MMC incluem graus variados de défices neurológicos e sensório-motores, disfunções urogenitais e intestinais, malformações esqueléticas6. Somando-se a estes, algumas complicações decorrentes da hidrocefalia compõe o quadro clínico desses pacientes (COLLANGE, 2008). Desta forma, tendo como objetivo a qualidade de vida de uma paciente com mielomeningocele atendida no Projeto APAE no Centro Integrado de Saúde foi analisado que a mesma possui uma ferida no pé decorrente da amputação do háluxà quatro anos, não apresentando melhoras significativas na cicatrização, sendo assim, atrapalhando a sua reabilitação, já que alguns exercícios não são possíveis serem realizados devido a sua condição. Com isso, é imprescindível que seja oferecido a paciente maiores orientações a respeito de como cuidar de sua ferida, para que se consiga ter melhores resultados nos seus atendimentos. Além disso, após o fechamento do seu ferimento, é importante a utilização de um material que impeça o seu atrito com algum outro objeto o qual poderá prejudicar na sua cicatrização por completo.MATERIAL E MÉTODOS:A fim de confeccionar um material para a proteção da ferida da paciente, primeiramente foi realizada a medidas do pé da mesma. Em seguida, para o revestimento externo, foi necessário adquirir dez centímetros do tecido Elanca Pettenati, com custo total de R$ 6,80, já a parte interna se utilizou um par de ombreiras Sarruf com custo de R$ 3,90, a fim de possibilitar um maior conforto e segurança para a ferida. Após a compra dos materiais foi levado até uma costureira no bairro Forqueta para a fabricação do protetor, essa por sua vez, teve como valor total R$ 40,00. Posteriormente, foi obtido um par de meias com custo de R$ 12,00 para colocar o protetor removível, a fim de que a paciente tenha a possibilidade de utilizar ele diversas vezes.  Ademais, para os cuidados com a ferida foi adquirido o Dersani genérico, loção oleosa para a hidratação do local, com valor de R$ 30,00, já a confecção do material de apoio se utilizou o aplicativo CANVA, e como suporte foi utilizado artigos das bases cientificas, Scielo e Google Acadêmico.RESULTADOS E DISCUSSÕES:Com a confecção desse material é oferecido à paciente um recurso que irá lhe auxiliar nos cuidados com a sua ferida em certas ocasiões, como nas transferências da cadeira de rodas para outros locais em que poderá ocorrer algum tipo de atrito no ferimento.Entretanto, teve- se algumas limitações ao produzir esse protetor para a paciente, visto que o local da amputação ainda está em processo de cicatrização, onde ainda não ocorreu a contração da ferida. Sendo assim, foi necessário, ter cautela na escolha do material utilizado para a proteção da região em destaque, já que esse não devia ser denso, para não lesionar o local. Além disso, a falta de sensibilidade dos membros inferiores, decorrente da mielomeningocele, impede que o indivíduo consiga sentir algo no momento que faz um atrito com algum objeto, dessa maneira foi preciso entregar um material informativo a paciente explicando os cuidados que é preciso ter com a sua ferida, para que assim a mesma consiga ter melhores resultados na cicatrização.CONCLUSÃO:Ao fabricar esse protetor foi possível retomar conteúdos visto em sala de aula, tendo em vista que a paciente possui perda de propriocepção decorrente de sua situação de saúde. Além do mais, para projetar o material foi preciso pensar na funcionalidade que produto devia ter para a paciente, a fim de auxiliar o seu atendimento na APAE. Podendo concluir, portanto, que o estudo neuromuscular é de extrema importância não somente para ter o conhecimento da motricidade, mas também em como a falta de sensibilidade afeta o indivíduo como um todo.

 

Publicado
2020-02-18
Seção
Saúde e Ciências Agroveterinárias - Resumo Expandido