PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA ASSISTÊNCIA FISIOTERAPÊUTICA NA PRÁTICA HOSPITALAR

  • Evelin Rigo
  • Franciele Giasson
  • Isadora Rodrigues Schlichting
  • Jhúlia Cardoso
  • Lucas Bartelle
  • Bruna Eibel
  • Caroline Bernardes FSG

Resumo

INTRODUÇÃO: É visível que a fisioterapia vem se tornando muito frequente no âmbito hospitalar. Atualmente ela se apresenta não apenas na reabilitação de pós-operatórios e sim no auxílio do paciente muito antes da cirurgia e em todos os quadros presentes. Visando a diversidade de casos e atendimentos por diferentes profissionais notou-se a importância da padronização de alguns procedimentos para melhorar os atendimentos e o tempo dos profissionais. A padronização de protocolos de atendimentos aos pacientes no ambiente intra-hospitalar possibilita a garantia de qualidade, segurança e conforto para o atendimento fisioterapêutico e minimiza a ocorrência de eventos adversos durante os atendimentos, permitindo a evolução do quadro do paciente na busca de sucesso para a alta hospitalar. OBJETIVO: Estabelecer procedimentos operacionais padrão para serem executadas durante a assistência fisioterapêutica de rotina, no acompanhamento de pacientes com histórias clínicas comuns tratadas em âmbito hospitalar, pelos estagiários do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário FSG. MATERIAL E MÉTODOS: A pesquisa ocorreu entre os meses de março a maio de 2020, período em que foram realizadas aulas remotas para que fosse possível integralizar a carga horária teórica do estágio curricular no contexto hospitalar. O estudo foi realizado pelos acadêmicos do Curso de Fisioterapia que se encontravam na etapa do estágio hospitalar, no momento em que as atividades práticas presenciais foram interrompidas devido à pandemia imposta pelo SARS-COV-2.  Foram realizadas buscas nas bases de dados Scielo, Pubmed e Google acadêmico sobre protocolos operacionais padrões fisioterapêuticos pré-existentes, que contemplasse a assistência pós-operatória em ambientes hospitalares. Foram elencados 5 temas comuns ao ambiente hospitalar, distribuídos em áreas de conhecimento específicas: traumatologia/ortopedia, neurologia, cardiologia e respiratória. Foi inicialmente realizado um levantamento de dados amplo para aprofundamento teórico sobre como a assistência fisioterapêutica era conduzida em hospitais de referência no Brasil. Em seguida, foi realizada uma normatização e adaptação do protocolo proposto, de acordo com a realidade hospitalar a qual os acadêmicos seriam inseridos. RESULTADOS E DISCUSSÕES: A elaboração de cada um dos cinco protocolos operacionais padrão contou com a descrição dos seguintes itens: título, finalidade (esclarecimento da necessidade do procedimento e o objetivo a ser alcançado), âmbito de aplicação (citação das unidades/enfermaria vinculadas ao serviço de fisioterapia que seriam contemplados), competência (listagem dos agentes responsáveis pela execução das ações), fundamentação legal (citação e detalhamento das referências bibliográficas que subsidiaram a elaboração das rotinas), normas (fundamentação teórica dos procedimentos a serem realizados diante das temáticas selecionadas, com descrição detalhada da avaliação, condutas, equipamentos e recursos a serem utilizados para sua execução, além de orientações fisioterapêuticas a serem fornecidas ao paciente e familiares para preparação para alta hospitalar), agente (descrição do profissional que está habilitado para realizar a ação e quando a mesma será realizada), ação (descrição da ação relacionada ao paciente) e não conformidade (descrição da conduta alternativa diante da impossibilidade do cumprimento da ação). CONCLUSÃO: A partir do estudo, foi possível verificar a importância de normatizar e padronizar ações voltadas à assistência fisioterapêutica no âmbito hospitalar. Em função do período histórico que estamos vivenciando, de combate a pandemia instalada pelo SARS-COV-2, a elaboração dos protocolos operacionais padrão com cinco temáticas diferenciadas, permitiu uma aproximação da realidade hospitalar, mesmo não sendo possível o atendimento presencial naquele momento. Por esta razão, favoreceu a preparação teórica, busca de estratégias e antecipação de situações que seriam vivenciadas na prática em etapa subsequente.

REFERÊNCIAS

ALVES RIBEIRO, Magna Maria. JESUS LOPES, Francislene. SAMPAIO DOS SANTOS, Raphael. Pós operatório de artroplastia de quadril. EBSERH, 2018. Disponível em: < http://www2.ebserh.gov.br/documents/1132789/1132848/POP+17.2_+P%C3%93S-OPERAT%C3%93RIO+DE+ARTROPLASTIA+DE+QUADRIL.pdf/7a4789d9-fd0d-44a2-ac2c-7adf3fde891c> Acesso em: 21, abril 2020.

ANDERSON GH, Harper WM, Connolly CD, Badham J, Goodrich N, Gregg PJ. Preoperative skin traction for fractures of the proximal femur. A randomised prospective trial. J Bone Joint Surg Br 1993;75(5):794-796. PM:8376442 .

BONVICINE, Cristiane. Proposta de Intervenção Fisioterapêutica precoce em pacientes submetidos a artroplastia total de quadril. 2006.

BURGOS, Viviane. LATADO, Adriana. LESSA, Paulo. NUNES MOTTA, Achilles. Tratamento Fisioterapêutico no Pós-Operatório de Artroplastia Total do Quadril. EBSERH, 2011. Disponível em: <http://www2.ebserh.gov.br/documents/1975526/2520527/diretriz_5_tratamento_fisioterapeutico_no_pos_operatorio_de_artroplastia_total_do_quadril_revisada.pdf/213e74b5-9b2c-46e7-9171-05351255cfa5> Acesso em: 21, abril 2020.

DALTRO MC, Melo KK, Leitão WC. Eficácia da mobilização passiva contínua no pós-operatório de pacientes submetidos à artroplastia total de joelho: revisão de literatura. Portal Interfisio, 2009. Disponível em: <http://interfisio.com.br/?artigo&ID=392&url> Acesso em: 22, de abril de 2020.

FAZIO, I. A., DA SILVA, J. G., Borba, S. V., BASSO, S., PEREIRA, F. W. Assistência de Enfermagem ao paciente politraumatizado: relato de experiência. ABEn 90 anos e a construção Histórica e Política da Enfermagem. 119.

FERREIRA, Julia Kortstee. Uma proposta de atualização do protocolo de reabilitação pós operatório de artroplastia total de quadril. 2019.

HOPPENFELD, S; MURTHY, V. L. Tratamento e reabilitação de fraturas. 1. ed. São Paulo: Manole, 2001.

KISNER, C; COLBY, LA. Exercícios Terapêuticos: Fundamentos e Técnicas. 4ª ed. Barueri: Manole; 2005.

MAXEY, L;, MAGNUSSON, J. Reabilitação: pós-cirúrgica para o paciente ortopédico. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003.

MOREIRA BS. Artroplastia total de joelho e a reabilitação física. Corpus. 2014;10:64-77.

OLIVA, Aloizio Mercadante. Atuação Hospitalar da Fisioterapia nos Pacientes com Lesões Ortopédicas nos MMII. Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, v. 1, n. 1, p. 1-23, ago. 2016.

 

POP: Fisioterapia em ortopedia, traumatologia e desportiva –Unidade de Reabilitação do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro – Uberaba: EBSERH – Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, 2016. 30p. Disponível em <http://www2.ebserh.gov.br/documents/147715/0/POP+13+%282016%29+Fisioterapia+ambulatorial+nas+les%C3%B5es+de+MMII+1.pdf/7b8af172-0cac-44e3-905a-d53daa08e61e> Acesso em: 21 de abril de 2020.

Protocolo fisioterapêutico de pós-operatório inicial de cirurgia lombar. Hospital Mãe de Deus. 2015. Disponível em: <https://docplayer.com.br/36728774-Protocolo-fisioterapeutico-de-pos-operatorio-inicial-decirurgia-lombar-local-unidades-de-internacao.html> Acesso em 21 de abril de 2020.

SILVA, ALPE. Estudo Comparativo entre dois Métodos de Reabilitação Fisioterapêutica na Artroplastia Total de Joelho: Protocolo Padrão do IOT e Protocolo Avançado. São Paulo: USP; 2006.

SMELTZER, SC et al. Brunner&Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgico. 12 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

 

Publicado
2021-03-18
Seção
Saúde e Ciências Agroveterinárias - Resumo Expandido