FINANÇAS COMPORTAMENTAIS: O PERFIL DO PROPENSO INVESTIDOR DISCENTE EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Roberto Marchelli Ribeiro Junior, Vitor do Carmo Silva Neto, Camila Alice dos Reis

Resumo


As Finanças Comportamentais surgiram como uma nova ciência de estudo, que pretende analisar psicologicamente todas as tomadas de decisões dos indivíduos, derrubando a ideia do uso de 100% da racionalidade defendida nas mais tradicionais teorias de finanças comportamentais. Nesse contexto, o objetivo deste artigo é traçar o perfil do propenso investidor discente em ciências contábeis e entender seu comportamento nas tomadas de decisões. A pesquisa nos permitiu afirmar que de acordo com os ensinamentos de finanças comportamentais os investidores não poderão agir racionalmente em todos os aspectos de um investimento. Vale ressaltar que as pessoas não dão o mesmo valor a uma perda e a um ganho proporcional, demonstrando que a dor da perda supera a satisfação do ganho. O estudo demonstra que frequentemente as pessoas se arriscam ainda mais, apenas pela chance de se salvar uma provável perda. Realizamos uma pesquisa quantitativa para coleta de dados com 119 alunos de todos os períodos do curdo de ciências contábeis no Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé, assim obtivemos informações sobre o perfil comportamental dos propensos investidores. Identificamos o perfil dos entrevistados como predominantemente conservador, e os alunos entrevistados apresentaram aversão ao risco nas possibilidades de ganhos e propensão ao risco nas possibilidades de perdas, demonstrando a existência do denominado efeito reflexo no presente estudo.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.