CULTURA PERMANENTE E CULTURA TEMPORÁRIA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DO TRATAMENTO CONTÁBIL DAS CULTURAS PELOS MÉTODOS DE CUSTO E DE VALOR JUSTO

  • Natacha Moreira de Oliveira Graduanda UFPB Campus IV
  • Lenka da Silva Rosendo Graduanda UFPB Campus IV
  • Jocksanny Maria Del Rio Leal Graduanda UFPB Campus IV
  • GILBERTO Magalhães da Silva Filho Doutorando PPGCC UFPB
  • Luiz Gustavo de Sena Brandão Pessoa Professor UFPB Campus IV

Resumo

Dois tipos de cultura compõem o ativo biológico agrícola: a permanente e a temporária. A mensuração das culturas pode ocorrer por meio dos métodos de custo histórico e de valor justo, os quais possuem características, vantagens e desvantagens específicas. Desta forma, objetivou-se analisar, de forma comparativa, o tratamento contábil das culturas permanente e temporária por meio dos métodos de custo e de valor justo. A pesquisa se classificou como descritiva, exploratória, qualitativa e como estudo de caso, já que se criou uma empresa fictícia para o seu desenvolvimento. Após a aplicação dos métodos de custo e de valor justo, expostos por meio de razonetes, realizou-se a análise dos dados de forma descritiva. Os resultados demonstraram que o método de custo histórico se apresentou como mais objetivo e simplificado em sua adoção, enquanto que o método de valor justo como critério de avaliação retratou um acompanhamento mais fidedigno no que diz respeito às mutações do ativo, porém, sua aplicação apresentou maior complexidade. Concluiu-se que ambos os métodos são relevantes como critérios de avaliação, e o que irá determinar a escolha de que método utilizar para avaliação dos ativos biológicos agrícolas é a necessidade de informação da organização.

Publicado
2018-03-15