DESIGN INFORMATIVO PARA O CONSUMO COLABORATIVO

  • Camila Lovatto Sebben
  • Rodrigo Fernandes Pissetti Centro Universitário da Serra Gaucha - FSG

Resumo

Consumir sempre foi uma necessidade presente em todas as
sociedades. Mas, com o desenvolvimento do modelo capitalista
e a comercialização massiva dos produtos industriais, o
consumismo passou a exercer significativo impacto sobre os
pilares ecológico, sociocultural e econômico da
sustentabilidade. Como alternativa, nas últimas décadas surgiu
o conceito de consumo colaborativo – ou economia
colaborativa, economia compartilhada, economia mesh, sharing
ou connected consumption – um novo sistema fundamentado na
preocupação, reconhecimento e enriquecimento mútuo entre os
participantes, que tem como características a descentralização,
redução e reutilização dos produtos, em demanda e oferta
flexíveis e ilimitadas. Dentro desta proposta o design gráfico
pode ser de grande utilidade na estruturação de sistemas
compartilhados, dinamizando a comunicação dos usuários para
atividades de doação, aluguel ou empréstimo. No presente
trabalho foram estudadas as interfaces gráficas dos websites de
três grandes empresas que trabalham com o consumo
colaborativo. A análise de usabilidade ergonômica foi realizada
conforme o método de observação estruturada seguindo as
metas de usabilidade e lista de avaliação de Preece (2005),
Rocha (2003) e Kalbach (2009) e nos parâmetros estabelecidos
pela norma técnica ABNT NBR ISO 9241 – Requisitos
ergonômicos para o trabalho com dispositivos de interação
visual Parte 11: Orientações sobre usabilidade (1998). Ao final
do estudo, foi constatado que o website Cinese apresenta maior
usabilidade e sua organização informacional possibilita uma
maior interação comunicativa entre os adeptos do consumo
colaborativo.
Publicado
2017-06-09
Seção
Sustentabilidade e Inovação: avaliação do ciclo de vida, desenvolvimento de produtos, ecodesign, ecoeficiência